Inteligência Artificial ou um Corretor de Imóveis de Carne e Osso ?


Claudio de Moura Castro, 81 anos, é um economista brasileiro, graduado  pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre pela Universidade Yale e Doutor pela Universidade Vanderbilt.  Sendo um  dos mais renomados educadores do país, ele escreve na Revista Veja e em outros veículos de Comunicação. Na última edição deste mês de Outubro, ele escreveu um artigo memorável na Seção de Tecnologia, sobre a função da Inteligência Artificial nas transações Imobiliárias.

O artigo é uma resposta aos inquietantes questionamentos de alguns corretores de imóveis, preocupados com a interferência da chamada “inteligência artificial” no mercado imobiliário.

Basicamente, ele faz uma reflexão sobre o fato dos algoritmos desconhecerem a complexidade da realidade financeira e social humana. As máquinas são alimentadas com dados e números que não exprimem a complexa  e às vezes, tão complicada realidade de um trabalhador brasileiro, que em muitos casos, tem diferentes rendas, por trabalharem em vários lugares, ou, pode duplicar a renda porque a esposa também trabalha. No caso do artigo, a inteligência artificial também não consegue analisar as inúmeras questões tributárias e jurídicas das Empresas.

O computador não foi feito para lidar com as falhas humanas e o nosso Sistema Econômico possui muitas dicotomias, além, de tudo depender de uma análise subjetiva da idiossincrasia individual de cada ser humano.

Não há o que se preocupar, as máquinas ainda vão demorar muito tempo para conseguir analisar tanta complexidade!

Você pode oferecer imóveis em um site, mas, no fechamento de uma transação imobiliária, a segurança do olho no olho, ou, a análise pessoal e criteriosa de cada situação, tão cedo poderão ser executadas por uma inteligência artificial.

Claudio de Moura Castro só nos relembra, o quanto devemos valorizar, o poder que nos foi dado por Deus: o Livre Arbítrio, que por ser divino, jamais será compreendido por uma máquina.

OBRIGADA, CASTRO, PELO RECONHECIMENTO DO VALOR DE NOSSA PROFISSÃO!

LEIA O ARTIGO DE CLAUDIO MOURA CASTRO A SEGUIR.

Fonte: Creci Bahia